Busto de Marlene Simone Soares, na sede








Baixe o "perfil" da instituição (tamanho 2,6 Mb). É necessário ter o Adobe Reader para abrir (caso você não tenha instalado em sua máquina, clique no icone abaixo para instalar).


A materialização do que almejamos, do que sonhamos, é um processo em que o ser humano mais se realiza. O maior obstáculo para que um ideal se torne uma realidade é constituída pelo fato de que, na maior parte das vezes, ficamos nas intenções, lamentando os desafios e as agruras que os caminhos da vida nos reserva. Tornam os homens arautos das lamúrias, acusando os tropeços da vida, sem apontar, consciente ou inconscientemente, a sua fraqueza e pequenez, responsáveis efetivamente pela deficiência em não conseguir aquilo que se propõe.

A maior parte dos seres humanos vive de intenções e não de realizações. Sempre apontam as pedradas que recebem na construção daquilo que desejam edificar, esquecendo que os golpes recebidos são desafios que devem ser vencidos, para que o isolamento não se torne sintoma de grave enfermidade.

A concretização de um sonho, de um ideal, só é possível através da vontade, que é a tecelagem que faz nascer o tempo para o que realmente se deseja fazer. Ajudar o próximo, a fim de que o próximo aprenda ajudar-se, eis o sonho uma mulher simples, despida de qualquer vaidade mundana, porém dotada de um espírito forjado na luz da caridade. Trata-se da Sra. Marlene Simone Soares, a “tia Marlene”, fundadora da Casa de David.

“Tia Marlene” teve um filho de nome David, que morreu precocemente, vitimado por meningite aos 6 meses de idade, após ter sido atendido por vários médicos. Essa criança, marcada desde o seu nascimento por um carisma de amor, deixou um grande vazio nos corações das pessoas que com ela conviveram. E, através desses mistérios da existência humana fez, em um sonho, aparecer à "tia Marlene" uma placa com a inscrição: "Casa de David". A partir daquele sonho, sem afetação de falsa santidade, propôs a aludida senhora a construir a Casa, "pedida pelo seu filho". Começou a jornada com uma casa alugada por R$ 13,00 no Tucuruvi. Foi de porta em porta pedindo ajuda. Em 1962, a casa, já com 45 crianças foi transferida para o Tremembé. Posteriormente uma boa alma cedeu à Casa um sítio, situado na rodovia Fernão Dias, local onde até hoje situa sua sede. Não foram poucos os desafios, não foi pequena a luta.

A vida da "tia Marlene" é um solo fértil para dar sentido as palavras de Gonçalves Dias: "a vida é luta renhida, que só os fracos abate e os bravos só pode exaltar".

Hoje, a sede da Casa de David é constituída de várias edificações, cada qual abrigando suas diversas funções, atendendo a mais de 300 pacientes com deficiência intelectual e autismo. Em breve, uma nova unidade, em Atibaia, estará dobrando esta capacidade de atendimento, fortalecendo nosso compromisso e missão.

Labibi João Atihé
Presidente